6 setembro, 2018

Eu ainda lembra da minha foto, vestindo uma camiseta branca com estampa de cachorro e me gabando com um frapuccino à base de creme. Hoje, é normal ver alguém segurando um copinho da Starbucks como se dissesse estou correndo para o trabalho, olha como eu sou cool. Há mais de seis anos atrás, essa cafeteria, que vivia no imaginário das leitoras de fanfics, era uma super novidade – nada de indie, obrigada. Mas para quem vivia lambendo o chantilly dos canudos verdes, saber se a Starbucks tem leite vegetal nunca foi uma preocupação. Até o veganismo aparecer.

STARBUCKS TEM LEITE VEGETAL - A TAL DA CASTANHA

Se eu não me engano, no começo da minha transição, tomei um capuccino sem chantilly e com leite de soja, enquanto esperava pela minha professora de inglês. A origem desse leite nem passou pela minha cabeça. Eu mal conhecia os buracos negros do veganismo.

 

Um tempo depois, descobri o tal leite de soja era da Ades. Ué, qual é o preconceito contra a Ades, Lu? Começamos pelo fato de que, na época, a marca pertencia à Unilever, empresa que testa em animais. E seguimos para algo ainda mais importante, que vai além do boicotar ou não boicotar: a vitamina D na lista de ingredientes era de origem animal.

 

Hoje, a Ades virou mocinha. Foi pra gigante Coca-Cola, trocou a origem da vitamina D, ganhou uma nova embalagem e até o selo de produto vegano. Se esse leite de soja de fato é vegano, isso fica ao seu critério. Afinal, a Coca patrocina rodeios por aí. Por outro lado, esse é, sim, um produto isento de ingredientes de origem animal bem acessível – praticamente a metade do preço de um leite de amêndoas.

 

Voltando à história da Starbucks, que de vegana não tinha nada, aquela foi a única vez que tomei algo da cafeteria em dois anos. Em algum momento, o leite de soja também saiu das opções e até os intolerantes à lactose pagaram o pato. Mas isso, finalmente, mudou desde o dia 30 de agosto.

STARBUCKS TEM LEITE VEGETAL - COCO E AMENDOAS

A Sociedade Brasileira Vegetariana deu uma consultoria voluntária à rede mostrando como ter boas opções sem nada de origem animal no cardápio. É isso mesmo. Pegou na mãozinha e ensinou o beabá. Nada de marcas querendo roubar o nosso dinheiro, minha gente. Se for pra gastar R$15 em um café que, ao menos, seja ético.

 

Foi aí que surgiu a parceria com A Tal da Castanha e três novas bebidas: Leite de Coco Mocha Macchiato, o Leite de Amêndoa Toffee Macchiato e o Coco Cold Brew. Você pode pensar: uhul, três opções veganas. Só que não. A única isenta de ingredientes de origem animal é a última, a Coco Cold Brew. O restante precisa de adaptações – coisa que estamos acostumados, no fim das contas.

 

O importante, independentemente dessas novidades, é que, agora, podemos fazer a substituição em outras bebidas, como o capuccino ou o latte. E o melhor: sem gosto de soja. As duas opções disponíveis são o leite de amêndoas e o leite de castanha de caju com coco. Hm, delícia! ❤

 

Quem aí está animado e já correu pra Starbucks mais próxima para provar essas belezinhas? Ou você não faz parte do time que sempre teve o nome escrito errado pelo atendente? 😅

 

❤ Outros posts que você pode gostar ❤

 

Sorvete vegano da Dona Nuvem

Rodízio japonês vegano

Lojas de cosméticos veganos e naturais

Famílias veganas para acompanhar

Coisas que NÃO são veganas e você não sabia

Como saber se um produto é vegano?

Compras veganas, produtos diferentes do Empório Mais Verde

Desistir da faculdade ou não?

 

Vem passear na categoria Lugares ou na tag alimentação vegana ❤

Também estou aqui: 

Instagram l Facebook l Twitter l Pinterest l Youtube

 

 

* indicates required



Você é vegano?

STARBUCKS TEM LEITE VEGETAL - A TAL DA CASTANHA

Eu ainda lembra da minha foto, vestindo uma camiseta branca com estampa de cachorro e me gabando com um frapuccino à base de creme. Hoje, é normal ver alguém segurando um copinho da Starbucks como se dissesse estou correndo para o trabalho, olha como eu sou cool. Há mais de seis anos atrás, essa cafeteria, que vivia […]

Leia mais



TAGS:






16 abril, 2018

Se eu precisasse elencar os cinco tipos de comidas que aquecem meu coração e alegram meu paladar, os itens expostos em um balcão de padaria entrariam para o ranking. Pão francês, pão doce, pães recheados, pão de queijo, pão na chapa, sonhos, carolinas, bomba de chocolate, mini tortinhas e outras infinidades de delícias que te deixam salivando só de pensar. Acontece que 98% das comidas de padaria levam na composição leite ou ovo. Isso significa que, quando eu visito a padaria do bairro, uma das minhas únicas escolhas é o bom e velho pão francês. Nada contra a casquinha crocante e o miolo macio, mas uma padaria vegana cairia bem.

 

Felizmente, esse sonho se tornou realidade. Tanto o meu sonho de tomar um café da manhã farto em uma padaria vegana quanto, literalmente, o sonho, aquela massa macia com um creminho doce e açúcar por cima – que, adianto, em sua versão vegana é idêntico ao tradicional. Graças à salvemandioca, perfil no instagram que sempre me apresenta lugares veganos novos em São Paulo, eu conheci a Padoca Vegan, uma padaria na Vila Madalena que não usa nenhum ingrediente de origem animal.

Eu e minha namorada, decidimos, então, passar nossa manhã de páscoa na Padoca Vegan. Andamos 40 minutos de transporte público em um domingo para ir da Zona Leste à Vila Madalena e saímos de lá com um sorriso no rosto e a barriga bem cheia. A Padoca Vegana, agora, compete com a Novos Veganos pelo posto de meu restaurante/lugar vegano favorito da vida. 

 

Padoca Vegan, uma padaria vegana para morrer de amores

 

A Padoca Vegan surgiu no início de 2018 e foi inaugurada pelas chefs e sócias Kamili Picoli e Denise Consolmagno, e Renata Altheman (tem uma fotinho das três perto do caixa!). A ideia de uma padaria vegana foi resultado da parceira entre a V.A.C.A, empresa de eventos gastronômicos veganos, e o Hostel Alice. Até o início de abril, a padaria funcionava apenas aos finais de semana, das 8h às 15h, mas agora ela fica aberta ao público de terça à domingo das 7h às 15h. Maravilha, hein? Se eu morasse naquela rua, iria falir, definitivamente.

 

O lugar

padaria vegana - padoca vegan

O lugar é, consideravelmente, pequeno, se considerarmos a demanda. Chegamos lá por volta das 10h e às 10h30 havia uma fila de espera para se sentar. No interior, há uma mesa bem grande e balcões (onde nos sentamos) e mesinhas distribuídas em um pequeno espaço ao lado de fora. Você pode pedir direto no expositor e levar para casa ou sentar e esperar ser atendido pela equipe simpática da Padoca Vegan. Nós, é claro, gastamos umas boas duas horas se deliciando no balcão com vista para rua.

 

A decoração é uma gracinha, assim como todo restaurante artesanal e/ou vegano. Com uma parede de tijolinhos, plantinhas e quadros fofos a Padoca Vegana te recebe acompanhada do cheiro de pão quentinho. Localizada na Rua Harmonia, nº1275, a padaria fica a uma caminhada de 5 minutos do metrô Vila Madalena, muito tranquilo! E, é claro, os pets são bem vindos.

 

O cardápio

 

Eu esqueci de tirar uma foto, mas tomei liberdade de compartilhar com vocês as fotos usadas no post do RotaVeg sobre a Padoca Vegan. No quesito bebidas quentes, você vai encontrar café, capuccino, chocolate com pimenta, chá e café vietnamita – o pingado versão vegan. Mas também tem a parte à la Satarbucks com o frapuccino e o freakshake, que faz muito sucesso com as suas guloseimas, caldas e chantily dignos de foto para o instagram.

 

padaria vegana - menu degustação

Se eu precisasse elencar os cinco tipos de comidas que aquecem meu coração e alegram meu paladar, os itens expostos em um balcão de padaria entrariam para o ranking. Pão francês, pão doce, pães recheados, pão de queijo, pão na chapa, sonhos, carolinas, bomba de chocolate, mini tortinhas e outras infinidades de delícias que te […]

Leia mais



TAGS:






9 fevereiro, 2018

Carnaval não é para mim. A ideia de milhares de pessoas no mesmo lugar, suando, bêbadas, gritando e homens se achando ainda mais donos dos nossos corpos me dá calafrios. Sem contar o metrô ainda mais lotado que o normal. Amo glitter, Pablo Vittar, pessoas animadas, fantasias e babys carnavalescos, mas prefiro o conforto da minha cama, minha lista no netflix ou lugares como os que eu listarei aqui para quem deseja saber onde passar o carnaval tranquilo em SP.

 

A ideia, então, é ficar longe de locais como Vila Madalena e Avenida Paulista. Tentei fugir dos clássicos ficar em casa, comer pipoca e ver 5 filmes por dia. Afinal, também existem espaços para você que, assim como eu, quer aproveitar o feriado, mas em um ritmo diferente dos bloquinhos.

 

Onde passar o carnaval tranquilo?

Bate e volta em cidades próximas a São Paulo

Pinhalzinho, Amparo, Holambra, Itu, Embu das Artes, Monte Alegre do Sul ou Campos do Jordão. Escolha um destino nos arredores da cidade de São Paulo, pegue o carro e fuja do casa comigo, sereianos ou minhoqueens. 

 

Cada cidadezinha tem o seu encanto, bons restaurantes e o ar de tranquilidade que queremos. Dá para entrar em contato com a natureza ou apenas conhecer mais da história com as simpáticas construções e museus.

 

Se você não tem um carro, veja se agências de turismo não estão organizando um bate e volta nas datas do carnaval. Jogue o nome da cidade na procura dos eventos no facebook! 

 

Olha só esse post com dicas do que fazer em um dia em Campos do Jordão!

 

Confira a programação do Sesc

 

O Sesc sempre tem várias palestras, cursos e workshops legais. Dê uma olhada no que estará rolando no Sesc mais próximo da sua casa. E, o melhor, na maioria dos casos, as atrações são gratuitas. Tem teatro, música, dança, circo, atividades envolvendo alimentação, meio ambiente, saúde, entre outros temas.

 

Carnaval não é para mim. A ideia de milhares de pessoas no mesmo lugar, suando, bêbadas, gritando e homens se achando ainda mais donos dos nossos corpos me dá calafrios. Sem contar o metrô ainda mais lotado que o normal. Amo glitter, Pablo Vittar, pessoas animadas, fantasias e babys carnavalescos, mas prefiro o conforto da […]

Leia mais



TAGS:








NÃO PERCA AS NOVIDADES, CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER!