• Pinceis favoritos para pele da Macrilan – Corretivo, base, blush SLIDE
  • simple-responsive-slide-disney


30 janeiro, 2017

Eu deixei de lado a palavra igualdade depois de ir pela primeira vez na Marcha das Vadias. Independentemente do porquê da mobilização, o modo como eu me senti no meio daquelas mulheres militando para que outras mulheres fossem livres, me fez ter certeza de que eu estava no caminho certo. Fez com que eu me sentisse abraçada, completa, segura. E o quão difícil é para uma mulher se sentir protegida em uma sociedade que tanto nos aprisiona? Por isso, se você me perguntar qual é a base do feminismo, eu te respondo sem margem de dúvida: sororidade. Porque é, principalmente, por meio desse pacto feminino, dessa irmandade, que acontece o empoderamento. E é reconhecendo a nossa força que saímos do lugar. De mãos dadas.

como ter sororidade? feminismo na prática

Eu entendo o quão difícil pode ser quebrar essa barreira e tirar a ideia de competição da sua mente. Nós fomos criadas para ser rivais, sussurraram em nosso ouvido constantemente como temos que ser melhores que aquela garota, como ela vai roubar nosso namorado, como ela é fofoqueira, falsa, cheia de frescuras. Como se você fosse diferente, como se existisse um ideal de garota. Mas deixa eu te contar um segredo: do outro lado não existe esse estereótipo odioso, mas, sim, uma mulher igual a você. Que passa pelas mesmas frustrações e opressões e que pode te levar muito mais longe. Isso, é claro, se você deixar.

 

Sororidade, no entanto, nesse meio que nos empurra para longe uma das outras pode ser algo complicado de se colocar em prática. Lembre-se, porém, que tudo o que é construído pode ser desfeito e repensado. E não é isso que o feminismo nos incentiva a fazer o tempo todo? Enxergar a opressão para mudar e buscar novas formas de ser.

 

Se a sororidade ainda parece um conceito muito abstrato para você, aqui vão 10 passos para te ajudar a, na verdade, ajudar as amigas:

 

1 ➳ Seja gentil. Tão simples quanto dar bom dia ao porteiro. Dê um remédio de cólica para a colega que está sofrendo ou um absorvente para aquela que esqueceu, ajude com direções quem estiver perdida, indique lojas incríveis ou livros maravilhosos, empreste aquele seu vestido de casamento, avise se a etiqueta estiver para fora, o rímel borrado e o dente sujo de batom. É fácil: se uma mulher precisa de ajuda, ajude.

 

2 ➳ Espalhe a palavra do feminismo. Sabe aquela pessoa religiosa que sempre coloca Deus no meio de qualquer conversa como solução? Então, seja assim, mas substitua por discursos sobre autoestima, relacionamentos abusivos, aborto, autonomia, independência financeira e por aí vai. Quando ver alguma garota falando “aquela vadia”, interrompa e explique porque falar isso é errado. Se alguma mulher estiver com dúvida sobre pautas do feminismo, mande textos, vídeos, reportagens, o que puder para tentar explicar. Não feche a roda, plante a sementinha e faça com que mais e mais mulheres se encontrem. O feminismo pode, realmente, ser a salvação.

 

3 ➳ Não julgue. Pela roupa, cabelo, maquiagem ou atitude. Não interessa se você não usaria batom vermelho de dia, uma saia tão curta ou se não beijaria três caras em uma noite. Não importa se você quer transar depois do casamento, não fala palavrão e não bebe cerveja. A outra mulher tem total autonomia para escolher o que lhe faz bem, o que quer e isso não tem nada a ver comigo ou com você. Nós temos que apoiá-la a ser aquilo o que ela quer ser, não o que os outros esperam.

 

4 ➳ Nada é “mimimi”. Em discussões de facebook ou em uma mesa de bar, se uma mulher se incomodou com certa fala ou atitude, é porque tem algo de errado. E se ela acabou reagindo de um jeito considerado rude, tudo bem, é uma reação normal. Entenda e ofereça apoio. Nunca a coloque na posição de histérica e exagera. Dê voz a outra mulher.

 

5 ➳ Não culpe mulheres em situação de vulnerabilidade. A culpa não é da sua amiga por não querer reconhecer seu relacionamento abusivo, nem da garota bêbada na festa que está sendo intimidada por algum cara ou da mulher que engravidou porque aceitou não usar camisinha. Temos que cuidar uma das outras.

 

6 ➳ Aliás, não culpe nenhuma mulher. Nem a garota que está dando em cima do seu namorado. Porque se ele está retribuindo, você precisa se resolver com ele, não com ela. Seja amiga das amigas do seu namorado, elas não mordem, e não ache que qualquer uma que curtiu uma foto dele está te provocando. Também não defenda a ideia de que sua sogra é uma cobra. E nem precisamos entrar no “mereceu ser estuprada”, certo?

 

7 ➳ Você é única. Mas a outra mulher também é. Não existe uma garota certa. Não compare roupa, perfil no instagram, corpo, cabelo, namorado, unha do pé, cílios, apenas não compare. Mas, sim, aumente a autoestima das mulheres ao seu lado. Elogie sempre que possível e aprenda a amar o seu corpo para que você possa mostrar às outras o quão revolucionário isso pode ser.

 

8 ➳ Meta a colher sempre que possível. Se você ouviu sua vizinha pedir socorro, chame a polícia. Questione aquele olho roxo, avise se ela estiver entrando em um relacionamento abusivo. Não deixe nenhum cara em uma rodinha questionar ou humilhar uma mulher. Interrompa conversas e diga sem medo: cara, você está sendo machista, pare. Fique por perto quando um casal estiver brigando mais que o normal para ver a reação do cara ou se notar que um homem está observando demais outra mulher. Nunca passe reto.

 

9 ➳ É para todas. Não existe sororidade seletiva. É para negra, branca, gorda, magra, bissexual, hétero, lésbica, rica, pobre, alta, baixa, trans ou cis. Para sua amiga, a desconhecida, a colega, professora, chefe, prima, irmã, tia, toda e qualquer mulher que passar ou não pela sua vida. E não existe essa de “não dá para ter sororidade com mina que reproduz machismo” você também começou sem saber muito, não é? Não use o termo só quando lhe convém.

 

10 ➳ Se coloque no lugar da outra. E, talvez, isso resuma todos os outros passos. Quando você pensa que poderia ser você, sua visão e atitudes mudam de repente. E, amiga, acredite, poderia mesmo ser você. Porque estamos todas no mesmo barco. Então, trate a outra mulher como você gostaria que o mundo lhe tratasse.

 

Acredite, é incrível a força que as mulheres têm quando se unem. Dê uma chance a sororidade. Não é à toa que toda vez que eu me lembro dessa ciranda feminista, me arrepio da cabeça aos pés: companheira, me ajuda, que eu não posso andar só. Eu sozinha ando bem, mas com você ando melhor. Vamos juntas? ❤️

 

 ❤️ Outros posts que você pode gostar ❤️

Por que feminista?

➳ Por que parei de tomar anticoncepcional?

O estupro em Bates Motel: agressor não é mocinho

Como fazer a diferença (e não ser um babaca)

➳ O dia em que um homem foi simpático comigo. E só.

 

❤️ Vem ler sobre empoderamento ou passear na categoria Feminismo ❤️

Vamos ser migas redes sociais:

Instagram l Facebook l Twitter l Pinterest l Youtube


Eu deixei de lado a palavra igualdade depois de ir pela primeira vez na Marcha das Vadias. Independentemente do porquê da mobilização, o modo como eu me senti no meio daquelas mulheres militando para que outras mulheres fossem livres, me fez ter certeza de que eu estava no caminho certo. Fez com que eu me sentisse abraçada, completa, segura. E o quão difícil é para uma mulher se sentir protegida em uma sociedade que tanto nos aprisiona? Por isso, se você me perguntar qual é a base do feminismo, eu te respondo sem margem de dúvida: sororidade. Porque é, principalmente, por meio desse pacto feminino, dessa irmandade, que acontece o empoderamento. E é reconhecendo a nossa força que saímos do lugar. De mãos dadas.

como ter sororidade? feminismo na prática

Eu entendo o quão difícil pode ser quebrar essa barreira e tirar a ideia de competição da sua mente. Nós fomos criadas para ser rivais, sussurraram em nosso ouvido constantemente como temos que ser melhores que aquela garota, como ela vai roubar nosso namorado, como ela é fofoqueira, falsa, cheia de frescuras. Como se você fosse diferente, como se existisse um ideal de garota. Mas deixa eu te contar um segredo: do outro lado não existe esse estereótipo odioso, mas, sim, uma mulher igual a você. Que passa pelas mesmas frustrações e opressões e que pode te levar muito mais longe. Isso, é claro, se você deixar.

 

Sororidade, no entanto, nesse meio que nos empurra para longe uma das outras pode ser algo complicado de se colocar em prática. Lembre-se, porém, que tudo o que é construído pode ser desfeito e repensado. E não é isso que o feminismo nos incentiva a fazer o tempo todo? Enxergar a opressão para mudar e buscar novas formas de ser.

 

Se a sororidade ainda parece um conceito muito abstrato para você, aqui vão 10 passos para te ajudar a, na verdade, ajudar as amigas:

 

1 ➳ Seja gentil. Tão simples quanto dar bom dia ao porteiro. Dê um remédio de cólica para a colega que está sofrendo ou um absorvente para aquela que esqueceu, ajude com direções quem estiver perdida, indique lojas incríveis ou livros maravilhosos, empreste aquele seu vestido de casamento, avise se a etiqueta estiver para fora, o rímel borrado e o dente sujo de batom. É fácil: se uma mulher precisa de ajuda, ajude.

 

2 ➳ Espalhe a palavra do feminismo. Sabe aquela pessoa religiosa que sempre coloca Deus no meio de qualquer conversa como solução? Então, seja assim, mas substitua por discursos sobre autoestima, relacionamentos abusivos, aborto, autonomia, independência financeira e por aí vai. Quando ver alguma garota falando “aquela vadia”, interrompa e explique porque falar isso é errado. Se alguma mulher estiver com dúvida sobre pautas do feminismo, mande textos, vídeos, reportagens, o que puder para tentar explicar. Não feche a roda, plante a sementinha e faça com que mais e mais mulheres se encontrem. O feminismo pode, realmente, ser a salvação.

 

3 ➳ Não julgue. Pela roupa, cabelo, maquiagem ou atitude. Não interessa se você não usaria batom vermelho de dia, uma saia tão curta ou se não beijaria três caras em uma noite. Não importa se você quer transar depois do casamento, não fala palavrão e não bebe cerveja. A outra mulher tem total autonomia para escolher o que lhe faz bem, o que quer e isso não tem nada a ver comigo ou com você. Nós temos que apoiá-la a ser aquilo o que ela quer ser, não o que os outros esperam.

 

4 ➳ Nada é “mimimi”. Em discussões de facebook ou em uma mesa de bar, se uma mulher se incomodou com certa fala ou atitude, é porque tem algo de errado. E se ela acabou reagindo de um jeito considerado rude, tudo bem, é uma reação normal. Entenda e ofereça apoio. Nunca a coloque na posição de histérica e exagera. Dê voz a outra mulher.

 

5 ➳ Não culpe mulheres em situação de vulnerabilidade. A culpa não é da sua amiga por não querer reconhecer seu relacionamento abusivo, nem da garota bêbada na festa que está sendo intimidada por algum cara ou da mulher que engravidou porque aceitou não usar camisinha. Temos que cuidar uma das outras.

 

6 ➳ Aliás, não culpe nenhuma mulher. Nem a garota que está dando em cima do seu namorado. Porque se ele está retribuindo, você precisa se resolver com ele, não com ela. Seja amiga das amigas do seu namorado, elas não mordem, e não ache que qualquer uma que curtiu uma foto dele está te provocando. Também não defenda a ideia de que sua sogra é uma cobra. E nem precisamos entrar no “mereceu ser estuprada”, certo?

 

7 ➳ Você é única. Mas a outra mulher também é. Não existe uma garota certa. Não compare roupa, perfil no instagram, corpo, cabelo, namorado, unha do pé, cílios, apenas não compare. Mas, sim, aumente a autoestima das mulheres ao seu lado. Elogie sempre que possível e aprenda a amar o seu corpo para que você possa mostrar às outras o quão revolucionário isso pode ser.

 

8 ➳ Meta a colher sempre que possível. Se você ouviu sua vizinha pedir socorro, chame a polícia. Questione aquele olho roxo, avise se ela estiver entrando em um relacionamento abusivo. Não deixe nenhum cara em uma rodinha questionar ou humilhar uma mulher. Interrompa conversas e diga sem medo: cara, você está sendo machista, pare. Fique por perto quando um casal estiver brigando mais que o normal para ver a reação do cara ou se notar que um homem está observando demais outra mulher. Nunca passe reto.

 

9 ➳ É para todas. Não existe sororidade seletiva. É para negra, branca, gorda, magra, bissexual, hétero, lésbica, rica, pobre, alta, baixa, trans ou cis. Para sua amiga, a desconhecida, a colega, professora, chefe, prima, irmã, tia, toda e qualquer mulher que passar ou não pela sua vida. E não existe essa de “não dá para ter sororidade com mina que reproduz machismo” você também começou sem saber muito, não é? Não use o termo só quando lhe convém.

 

10 ➳ Se coloque no lugar da outra. E, talvez, isso resuma todos os outros passos. Quando você pensa que poderia ser você, sua visão e atitudes mudam de repente. E, amiga, acredite, poderia mesmo ser você. Porque estamos todas no mesmo barco. Então, trate a outra mulher como você gostaria que o mundo lhe tratasse.

 

Acredite, é incrível a força que as mulheres têm quando se unem. Dê uma chance a sororidade. Não é à toa que toda vez que eu me lembro dessa ciranda feminista, me arrepio da cabeça aos pés: companheira, me ajuda, que eu não posso andar só. Eu sozinha ando bem, mas com você ando melhor. Vamos juntas? ❤️

 

 ❤️ Outros posts que você pode gostar ❤️

Por que feminista?

➳ Por que parei de tomar anticoncepcional?

O estupro em Bates Motel: agressor não é mocinho

Como fazer a diferença (e não ser um babaca)

➳ O dia em que um homem foi simpático comigo. E só.

 

❤️ Vem ler sobre empoderamento ou passear na categoria Feminismo ❤️

Vamos ser migas redes sociais:

Instagram l Facebook l Twitter l Pinterest l Youtube


TAGS:




4 Comentários em “Como ter sororidade em 10 passos”


Isabela Luccas

Me arrepiei com esse texto, super bem escrito! Eu amo a sororidade e pratico o movimento Vamos Juntas? sempre que vejo outra mulher precisando <3 tanto que num show, vi uma amiga ser puxada por um cara bêbado… Puxei ela de volta e perguntei se precisava de ajuda. Por sorte, ele era um grande amigo dela. Mas eu já estava ficando nervosa kkk Juntas somos mais fortes!

O estupro em Bates Motel: agressor não é o mocinho! l Entre Anas

[…] assistir à série e não gosta de spoilers, bom, é melhor ir pular para o próximo post! Que tal esse sobre sororidade? No entanto, fique com a seguinte ideia em mente: jamais, nunca, em hipótese […]

6 blogs feministas para entender e começar no movimento l Entre Anas

[…] Se tem uma coisa que eu aprendi, é que o feminismo nunca se esgota. Sempre é possível conhecer, entender e problematizar algo novo. Sempre tem uma coisinha para desconstruir. E isso não é ruim. Pelo contrário, significa que estamos sempre melhorando o nosso olhar, abrindo nossa mente, nos empoderando e empoderando outras minas (vem ver como ter mais sororidade em 10 passos!). […]

Onde encontrar ovo de páscoa vegano em São Paulo? l Entre Anas

[…] ➳ Como ter sororidade em 10 passos […]


Deixe seu comentário:



Veja o que acontece por aí