DESCOMPLICANDO O VEGANISMO
RECEITAS VEGANAS
Transição para o veganismo


6 setembro, 2018

Eu ainda lembra da minha foto, vestindo uma camiseta branca com estampa de cachorro e me gabando com um frapuccino à base de creme. Hoje, é normal ver alguém segurando um copinho da Starbucks como se dissesse estou correndo para o trabalho, olha como eu sou cool. Há mais de seis anos atrás, essa cafeteria, que vivia no imaginário das leitoras de fanfics, era uma super novidade – nada de indie, obrigada. Mas para quem vivia lambendo o chantilly dos canudos verdes, saber se a Starbucks tem leite vegetal nunca foi uma preocupação. Até o veganismo aparecer.

STARBUCKS TEM LEITE VEGETAL - A TAL DA CASTANHA

Se eu não me engano, no começo da minha transição, tomei um capuccino sem chantilly e com leite de soja, enquanto esperava pela minha professora de inglês. A origem desse leite nem passou pela minha cabeça. Eu mal conhecia os buracos negros do veganismo.

 

Um tempo depois, descobri o tal leite de soja era da Ades. Ué, qual é o preconceito contra a Ades, Lu? Começamos pelo fato de que, na época, a marca pertencia à Unilever, empresa que testa em animais. E seguimos para algo ainda mais importante, que vai além do boicotar ou não boicotar: a vitamina D na lista de ingredientes era de origem animal.

 

Hoje, a Ades virou mocinha. Foi pra gigante Coca-Cola, trocou a origem da vitamina D, ganhou uma nova embalagem e até o selo de produto vegano. Se esse leite de soja de fato é vegano, isso fica ao seu critério. Afinal, a Coca patrocina rodeios por aí. Por outro lado, esse é, sim, um produto isento de ingredientes de origem animal bem acessível – praticamente a metade do preço de um leite de amêndoas.

 

Voltando à história da Starbucks, que de vegana não tinha nada, aquela foi a única vez que tomei algo da cafeteria em dois anos. Em algum momento, o leite de soja também saiu das opções e até os intolerantes à lactose pagaram o pato. Mas isso, finalmente, mudou desde o dia 30 de agosto.

STARBUCKS TEM LEITE VEGETAL - COCO E AMENDOAS

A Sociedade Brasileira Vegetariana deu uma consultoria voluntária à rede mostrando como ter boas opções sem nada de origem animal no cardápio. É isso mesmo. Pegou na mãozinha e ensinou o beabá. Nada de marcas querendo roubar o nosso dinheiro, minha gente. Se for pra gastar R$15 em um café que, ao menos, seja ético.

 

Foi aí que surgiu a parceria com A Tal da Castanha e três novas bebidas: Leite de Coco Mocha Macchiato, o Leite de Amêndoa Toffee Macchiato e o Coco Cold Brew. Você pode pensar: uhul, três opções veganas. Só que não. A única isenta de ingredientes de origem animal é a última, a Coco Cold Brew. O restante precisa de adaptações – coisa que estamos acostumados, no fim das contas.

 

O importante, independentemente dessas novidades, é que, agora, podemos fazer a substituição em outras bebidas, como o capuccino ou o latte. E o melhor: sem gosto de soja. As duas opções disponíveis são o leite de amêndoas e o leite de castanha de caju com coco. Hm, delícia! ❤

 

Quem aí está animado e já correu pra Starbucks mais próxima para provar essas belezinhas? Ou você não faz parte do time que sempre teve o nome escrito errado pelo atendente? 😅

 

❤ Outros posts que você pode gostar ❤

 

Sorvete vegano da Dona Nuvem

Rodízio japonês vegano

Lojas de cosméticos veganos e naturais

Famílias veganas para acompanhar

Coisas que NÃO são veganas e você não sabia

Como saber se um produto é vegano?

Compras veganas, produtos diferentes do Empório Mais Verde

Desistir da faculdade ou não?

 

Vem passear na categoria Lugares ou na tag alimentação vegana ❤

Também estou aqui: 

Instagram l Facebook l Twitter l Pinterest l Youtube

 

 

* indicates required



Você é vegano?







3 setembro, 2018

Quem me conhece, sabe que sou a doida do YouTube. Essa é, sem dúvidas, a minha rede social predileta. Decidi, então, me arriscar no estilo de vídeo que mais assisto, com uma pegada pessoal, íntima e mostrando um pouquinho do dia a dia. A ideia me pareceu ainda mais bacana quando envolvi o veganismo no meio, afinal, eu não sou a pessoa dos bowls coloridos, smoothies saudáveis e talheres de bambu – adoraria, mas não combina com a minha realidade atual. Queria mostrar como a minha rotina vegana não tem nada de complicada ou impossível. Juntando esse amor pelo YouTube e a vontade de compartilhar experiências, o resulto foi esse vídeo.

 

Um dia na minha rotina vegana 🌱

 

 

Aproveitei também para papear um pouquinho sobre produtividade. Trabalhando em casa, preciso me esforçar ainda mais para manter o ritmo. Com a cama no cômodo ao lado (no meu caso, atrás) e o Netflix a um clique, como manter o foco? Me conta nos comentários como é por aí. O que você faz para se manter regrado no dia a dia e cumprir todas as tarefas?

 

Lista de gratidão 💫

Já que estamos falando de rotina, vou usar esse espaço para compartilhar algumas das coisas que fazem parte do meu dia a dia, mas que, em meio a correria, dificilmente paro para agradecer. Que tal você fazer o mesmo aqui embaixo nos comentários? ❤

 

➳ Acordar e ter a Fridinha miando para pedir comida ou, então, sendo a vizinha fofoqueira, que não sai da janela.

➳ Poder dormir abraçada com o amor da minha vida todas as noites.

➳ Cheiro de café quentinho preenchendo a cozinha.

➳ O privilégio de poder trabalhar com coisas que acredito e me identifico.

➳ Ter a liberdade de fazer os meus horários e investir nos meus projetos.

➳ Saber que o meu dia a dia não envolve crueldade animal e ter a certeza de que estou trilhando um caminho de pura compaixão.

➳ Tomar banho e não precisar perder mais de 2h secando o cabelo e fazendo chapinha.

 

Por fim, quero te lembrar de se inscrever na Vegang, para receber muito amor e conteúdos exclusivos! Psiu, um segredo: em breve, saí um e-book incrível ❤

 

 

* indicates required



Você é vegano?

 

🌻 Outros posts que você pode gostar 🌻

 

10 dicas para reduzir a produção de lixo no dia a dia

Como ter sororidade em 10 passos

7 vezes que o feminismo me ajudou

Verdades sobre o veganismo que ninguém te conta

Lições que aprendi com o jornalismo

Minha tatuagem sobre veganismo

Técnicas de organização para testar

Eu não quero uma amiga para todas as horas

 

Vem passear na categoria Experiências ❤

Também estou aqui:

Instagram l Facebook l Twitter l Pinterest l Youtube







14 junho, 2018

A temperatura diminui e não me restam dúvidas: meu coração pertence ao verão. Ao calor, vestidinhos frescos, água de coco e céu azul. Me desculpem os fãs de sobretudo e cachecóis, mas não podemos nos esquecer que o frio é cruel com aqueles que não conseguem se proteger dos seus ventos gelados. Não tem nada de glamouroso em passar a noite na rua quando o termômetro marca 12 ºC, ou, então, ver animais abandonados falecerem por não encontrarem abrigo. Quando chega o frio, é hora de tirar o casaco e a solidariedade do armário.

COMO SER SOLIDÁRIO NO FRIO - DOAÇÕES (1)

Um ato generoso aquece o seu coração e os dias daqueles que não podem recorrer às cobertas, chocolate quente e aquecedor. Compartilhei abaixo algumas atitudes que podemos tomar para transformar esse inverno em uma época acolhedora para todos!

 

Como ser solidário no frio?

 

Doe peças que não usa mais

 

Chegou o momento de desapegar. Sabe aquele casaco que você comprou na promoção, mas não tem nada a ver com você? Ou, então, aquela calça jeans que está muito apertada? Pois bem. Desapegue. Deixe o seu armário mais leve e o inverno de alguém mais quente.

 

Ao fazer essa limpeza no armário, considere tudo: cobertores, meias, pijamas, luvas, calçados, entre outras peças. Coloque-se no lugar de quem vai receber a doação. Tenha uma postura de comprometimento e respeito diante do outro. Seu apego aos bens materiais não deve se sobrepor a uma necessidade real de sobrevivência.

 

Distribua marmitas quentinhas

 

Fome + frio não é uma equação agradável, certo? Mas é isso o que acontece com muitas das pessoas em situação de vulnerabilidade social. As dificuldades do dia a dia, em conseguir um banho, um lugar para dormir e um prato de comida, se agravam quando cai a temperatura.

 

Tire um dia na semana para cozinhar uma grande quantidade de comida. Prefira alimentos que sustentem bastante, como, por exemplo, uma sopa a base de carboidratos com batata, mandioca e macarrão. Distribua a quantidade em marmitinhas e entregue aos moradores de rua. Lembre-se, porém, de manter a empatia. Inicie um diálogo, pergunte o nome da pessoa, a idade e, principalmente, se ela aceita. Se a resposta for negativa, não force.

 

O ser humano à sua frente tem uma história e é preciso respeitá-la. O altruísmo não exige nada em troca. Por isso, não queira se colocar em um pedestal ou fique brava por não ouvir um obrigado. Criar essa corrente do bem não é em prol do seu ego e, sim, em prol do outro.

 

Crie sua própria campanha do agasalho

 

Faça isso na sua empresa, escola, bairro, farmácia, igreja, mercado ou seja lá qual for o lugar em que trabalha ou frequenta. Separe uma caixa grande de papelão, prepare alguns panfletos e avise por aí que está recolhendo doações.

 

Tome a iniciativa! Não espere que façam por você. Ser solidário no frio, no outono, no verão ou primavera só depende de você. 

 

Compre uma roupinha para animais abandonados

COMO SER SOLIDÁRIO NO FRIO - ANIMAIS (1)

Não são só os humanos que sofrem no inverno. Imagine como é ser um cachorro ou gato abandonado vagando pelas ruas de uma cidade fria. Assim como com moradores de rua, você pode deixar em pontos estratégicos potinhos com água e ração para esses animais. Ou, então, andar com uma bolacha extra na bolsa!

 

Além disso, comprar uma roupinha também é uma ótima forma de diminuir o sofrimento desses bichinhos. Se você é costureira, coloque a mão na massa e crie agasalhos especiais para os gatinhos ou cachorros. Mas cuidado! Antes de vestir o animal, certifique-se de que ele não é bravo e não se esqueça o quanto ele precisa de carinho. 

 

Apesar de existirem pessoas más intencionadas, dê preferência às roupinhas com zíper ou velcro. Assim, quando o animal sentir calor, será mais fácil de tirá-las.

 

Operação Baixas Temperaturas

 

Foi essa campanha da prefeitura de São Paulo que me incentivou a escrever este post. Vi um cartaz em um ônibus e, imediatamente, anotei o número para não esquecer.

 

Quando a temperatura estiver abaixo ou igual a 13 ºC, você pode ligar para número 156 e informar onde viu uma pessoa em situação de risco. Agentes irão até o local e oferecerão acolhimento para essa pessoa. São cerca de 400 profissionais trabalhando exclusivamente nessa abordagem nas ruas.

 

A prefeitura e o governo de São Paulo pecaram muito nos últimos anos, mas, como essa ação existe, é importante cobrar para que seja colocada em prática.

 

Olhe se na sua cidade não há algo parecido! O estado deve assumir a responsabilidade para garantir que todos tenham seus direitos assegurados, principalmente, em épocas como no inverno.

 

Viu só como ser solidário no frio não é tão difícil? Se envolva com o próximo e assuma sua parcela de responsabilidade. Por fim, pratique, acima de tudo, o amor, porque ele, sim, além dos cobertores, pode nos aquecer nesse inverno ❤

 

❄ Outros posts que você pode gostar ❄

 

10 dicas para reduzir a produção de lixo no dia a dia

Como ter sororidade em 10 passos

7 vezes que o feminismo me ajudou

Verdades sobre o veganismo que ninguém te conta

Ei, se liga, você é um babaca com boas referências

Como fazer compras mais conscientes? 

Técnicas de organização para testar

Eu não quero uma amiga para todas as horas

 

Vem passear na categoria Experiências ❤

Também estou aqui:

Instagram l Facebook l Twitter l Pinterest l Youtube









NÃO PERCA AS NOVIDADES, CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER!