• Pinceis favoritos para pele da Macrilan – Corretivo, base, blush SLIDE
  • simple-responsive-slide-disney


8 Janeiro, 2018

No último ano, não me aproximei do feminismo, devo admitir. Não participei de grupos, manifestações, rodas de conversa ou busquei qualquer tipo de informação aprofundada sobre o assunto. Conversei, sim, com algumas amigas sobre o nosso papel nessa luta e passei por textos e vídeos que chegaram aos meus olhos ao acaso.

 

Isso, porém, não me torna menos feminista. Não estou aqui para ser fiscal da militância alheia ou dizer o que você deve fazer para se considerar uma feminista. Mas eu acredito, que assim como eu, muitas gostariam de se sentir mais pertencente e mudar algo de fato, deixando de apenas compartilhar posts simbólicos no facebook ou discutir com macho na mesa de bar.

 

Pensando no que eu poderia fazer pelo feminismo neste novo ano, surgi com essa listinha. O feminismo me ajudou muito a mudar comportamentos negativos e entender quem eu sou, o mínimo que eu posso fazer é me agarrar a ele e não deixar que tudo isso seja em vão.

 

5 coisas que você pode fazer pelo feminismo este ano

 

Montar um grupo ❤

Com as suas vizinhas, colegas na faculdade, primas, amigas, enfim, onde há mulheres, há a chance de conversar sobre feminismo. Crie uma rede de apoio, de debate, de afeto. A força que temos quando nos unimos é imensurável.

 

Eu lembro como eu me senti na minha primeira Marcha das Vadias, rodeada de mulheres gritando pela autonomia dos nossos corpos e das nossas vidas. Era como um grande abraço, quentinho e cheio de amor, enquanto todo meu ser era preenchido pela certeza de que eu não estava sozinha. Porque nós nos entendemos, temos empatia uma pela outra, sabemos o que é ser mulher na rua, em casa, no trabalho.

 

Um grupo não serve apenas para escolher o texto da semana e discutir de uma forma acadêmica. Um grupo de mulheres unidas, compartilhando vivências, conselhos e opiniões é revolucionário.

 

Acumular conhecimento 

 

Precisamos entender a história para saber onde queremos chegar e o que temos que fazer para isso. Jornalista formada que sou, sei a importância de se manter atualizada e acumular conhecimento.

 

Feminismo é, sim, muita vivência, mas também tem dados, evolução história, momentos marcantes, notícias, artigos e por aí vai. Além de nutrir a alma, é uma ótima maneira de ter argumentos novos para sustentar ainda mais os seus ideais.

 

Não precisa seguir todo o blábláblá do elitismo acadêmico. Tem livros, canais no youtube, músicas, páginas no facebook, blogs, um mundo de possibilidades na hora de aprender mais sobre o feminismo.

 

Minha meta desse ano é, por exemplo, finalmente, ler O Segundo Sexo. De nada adianta ele estar enfeitando a estante e gritando feminista a quem me visita se eu sei o que tem apenas em duas ou três páginas 😕

 

CONTINUE LENDO ♥


TAGS:
O QUE FAZER PELO FEMINISMO

No último ano, não me aproximei do feminismo, devo admitir. Não participei de grupos, manifestações, rodas de conversa ou busquei qualquer tipo de informação aprofundada sobre o assunto. Conversei, sim, com algumas amigas sobre o nosso papel nessa luta e passei por textos e vídeos que chegaram aos meus olhos ao acaso.   Isso, porém, […]

Leia mais







5 Janeiro, 2018

Mais um post do quadro Beleza Vegana com um guia para comprar ou substituir um cosmético ou maquiagem. O primeiro foi o em busca de um corretivo vegano, o que me rendeu experimentar o corretivo da Dona Orgânica e contar tudo para vocês em um vídeo e post bem explicadinho. Chegou a vez do rímel vegano, um item de maquiagem tão essencial para mim.

rímel vegano - marcas e valores

O rímel que eu uso já é vegano, é o Super Lashes da Vult, que custa cerca de R$35 e tem 12 gramas. Atenção: é o rímel da embalagem azul, pois o rosa não é vegano. Ele durou uns seis meses e eu adorei. É aquela velha história do rímel que no começo não tem muita graça, mas conforme você vai usando e ele envelhecendo, o negócio fica potente. Ele não é exatamente à prova d’água, mas, no geral, tem uma boa duração.

 

Infelizmente, como tudo que é bom tem um fim, chegou a voz de substitui-lo. Para me guiar, listei nesse post 15 opções de rímel vegano para escolher o meu próximo queridinho. Se você usou algum desses, não esquece de compartilhar a sua experiência nos comentários.

 

Em busca de um rímel vegano, 15 opções

Na foto são 14, porque o da UneVie não tinha fundo branco, então, por questões estéticas, ficou fora da foto 😜

 

Vynama – Rímel Preto – R$53,25 – 9g

Preço por grama: R$5,92

 

e.l.fWaterproof Lengthening & Volumizing Mascara – US$3 – 8g

Preço por grama: US$0,38

 

Herbia – Rímel Preto – R$69 – 7g

Preço por grama: R$9,86

 

Baims – Máscara All In One – R$79 – 7ml

Preço por grama: R$11,29

 

Cativa – Rímel Preto – R$51 – 8ml

Preço por grama: R$6,38

 

Bioart – Máscara de Cílios Bionutritiva – R$48,80 – 4g

Preço por grama: R$12,2

 

Pelo que vi por aí, esse rímel não é para quem gosta de cílios volumosos, bem pretos e chamativos – no caso, euzinha. Ele entrou na lista por ter uma proposta diferente de tratamento. É pra quem gosta de um efeito bem natural.

 

CONTINUE LENDO ♥


TAGS:
RÍMEL VEGANO - MARCAS E PREÇOS

Mais um post do quadro Beleza Vegana com um guia para comprar ou substituir um cosmético ou maquiagem. O primeiro foi o em busca de um corretivo vegano, o que me rendeu experimentar o corretivo da Dona Orgânica e contar tudo para vocês em um vídeo e post bem explicadinho. Chegou a vez do rímel […]

Leia mais







3 Janeiro, 2018

Quem acompanha desde o início essa saga de posts todos os dias em dezembro, viu no 31 coisas para fazer em 31 dias, que um dos meus desejos neste mês era doar sangue pela primeira vez. Essa, no entanto, é uma vontade antiga, mas algo sempre me impedia. Primeiro, a idade. Depois, o peso. Nos últimos anos, as tatuagens. Então, em 2017,, antes de enfrentar as agulhas para o quinto desenho na pele, decidi ir até um posto de coleta e, enfim, doar sangue pela primeira vez. 

DOAR SANGUE PELA PRIMEIRA VEZ COLSAN

Como é doar sangue pela primeira vez?

1º A escolha do posto de coleta

 

Muito cuidado com o Google nessa hora, pois muitos dos lugares estão desatualizados. Eu fui em dois na região da Vila Mariana e Santa Cruz (Hospital Albert Einstein e Hospital Santa Cruz) e ambos não faziam mais ou nunca fizeram a coleta. Para se sentir mais segura, pesquise opiniões, veja se conhecer o hospital, procure imagens, o que precisar.

 

Eu fui no Colsan, Associação Beneficente de Coleta de Sangue, do Tatuapé. Eles tem outras unidades espalhadas por São Paulo, as quais você consegue ver no site. Para mais postos de coleta pela cidade, clique aqui.

 

2º Cuidados antes de doar

 

Muita gente acha que você precisa ir doar sangue em jejum, mas, pelo contrário, é importante ter se alimentado antes, evitando apenas alimentos gordurosos 3 horas antes. Além disso, existem outros cuidados como não ter ingerido álcool nas 12 horas anteriores ou algumas medicações específicas, ter dormido bem e estar, no geral em boas condições de saúde. Pesquise bem sobre os critérios de inclusão e exclusão.

 

3º Na recepção, pré-triagem e triagem clínica

DOAR SANGUE PELA PRIMEIRA VEZ ENTRVISTA

Vou contar aqui como foi no Colsan, mas os processos podem ser diferentes em outros lugares. Primeiro, passei minhas informações pessoais para a recepcionista, que me encaminhou para a pré-triagem. Lá, me pesaram, conferiram meu pulso, pressão, febre, altura e fizeram um teste de anemia com uma picadinha no dedo que “doeu” mais do que a própria doação de sangue.

 

Depois, fui encaminhada para a entrevista que dura cerca de 5 minutos. São várias perguntas, dentre elas: dormiu bem? Toma alguma medicação? Tem diabetes? Fez alguma extração dentária? Tem filhos? Tem piercing ou tatuagens? E por aí vai. Estando de acordo com todos os critérios, você vai para a sala de coleta.

 

CONTINUE LENDO ♥


TAGS:

Quem acompanha desde o início essa saga de posts todos os dias em dezembro, viu no 31 coisas para fazer em 31 dias, que um dos meus desejos neste mês era doar sangue pela primeira vez. Essa, no entanto, é uma vontade antiga, mas algo sempre me impedia. Primeiro, a idade. Depois, o peso. Nos […]

Leia mais











Veja o que acontece por aí