1 Janeiro, 2018

2018, seja bem vindo ❤ Tire os sapatos, pode entrar, sinta-se em casa. Prometo que vou dar o meu melhor para torná-lo um ano inesquecível, mas eu também espero que você me surpreenda positivamente várias vezes ao longo dos seus doze meses. Espero que nossos dias juntos sejam repletos de aprendizados, risadas, comida boa vegana e, mesmo que com alguns tropeços no meio do caminho, muita força e paciência para superar qualquer coisa.

LEMBRETES PARA 2018 METAS

Para começar esse ano com o pé direito, resolvi fazer um vídeo com lembretes para 2018. São ideias simples, mas poderosas. É um vídeo de um minutinho e meio com um pouquinho das lições que eu aprendi, ouvi e, enfim, entendi o quão importantes são.

 

Lembretes para 2018 💫

 

Nós sabemos que, no fim das contas, a forma como o ano se desenrola está em nossas mãos. Que em 2018, então, a gente possa ser mais Pollyana e menos Lula Molusco.

 

Lembra que onde você está, hoje, é resultado de quem você era, mas onde você estará amanhã depende inteiramente de quem você escolhe ser hoje. E, então, como vai ser?

 

O que acharam dos meus lembretes para 2018? Quais são as suas metas para esse ano? Que outro lembrete gostaria de acrescentar à minha lista? 😊

 

❤ Outros posts que você pode gostar ❤

 

➳ 7 vezes que o feminismo me ajudou

5 perguntas para fazer compras conscientes

Não seja um one upper

Como fazer a diferença e não ser um babaca

Ei, se liga, você é um babaca com boas referências

Como ter sororidade em 10 passos

Pare de perceber o erro

 

Vem passear na categoria Experiências ❤

Vamos criar um 2018 lindo juntos: 

Instagram l Facebook l Twitter l Pinterest l Youtube

LEMBRETES PARA 2018 METAS

2018, seja bem vindo ❤ Tire os sapatos, pode entrar, sinta-se em casa. Prometo que vou dar o meu melhor para torná-lo um ano inesquecível, mas eu também espero que você me surpreenda positivamente várias vezes ao longo dos seus doze meses. Espero que nossos dias juntos sejam repletos de aprendizados, risadas, comida boa vegana e, mesmo […]

Leia mais



TAGS:






31 dezembro, 2017

2017 acabou. Posso ouvir um amém? Dezembro diz adeus e meu primeiro mês com posts todos os dias igualmente. Esse último post é quase como uma retrospectiva, o meu tchau, 2017. E um olá a todas as surpresas, conquistas, problemas, dores de cabeça e sorrisos que 2018 me reserva.

 

Começando com a contagem regressiva que eu fiz lá no instagram, mostrando os meus melhores momentos de 2017, um ano, aparentemente, tão conturbado. Quando eu parei, porém, para pensar e buscar os bons momentos no rolo da minha câmera notei o quanto uma das minhas frases favoritas faz sentido: é um dia ruim, não uma vida ruim.

 

Os meus melhores momentos de 2017 ❤

Janeiro ➳ Ir à praia com pessoas tão queridas e ainda ver a Anitta de pertinho por R$10, em meio a chuva, pés sujos de lama, tatuagem recém feita e um copo de 1 litro de bebida perdido em vão.

 

Fevereiro ➳ Visitar Campos do Jordão com uma das minhas companhias favoritas da vida e me (re)encantar por essa cidade.

 

Março ➳ Dos rolês que a gente marca sem saber ao certo o motivo, mas é nesses dias que eu tenho a certeza que estou rodeada das melhores pessoas do universo. Vocês são minha família, minha vida ❤

 

Abril ➳ Começar as entrevistas para o TCC e estrear em grande estilo com o Carl Honoré (Carlinhos, nosso brother). Um dia para aprender o quanto é importante desacelerar.

Abril ➳ Ir à praia novamente com mais pessoas queridas e entender que, na verdade, eu nunca estive sozinha.

 

Maio ➳ Abraçar as meninas do Depois das Onze e ainda escutar a Gabie me desejar “boa sorte” com meu ruivo.

 

Maio ➳ Ouvir o Ed cantar Give Me Love pela segunda vez na vida.

 

Junho ➳ Ter a coragem de cortar o cabelo curtinho e me (re)descobrir mais forte.

Julho ➳ Itacaré. Um das viagens mais incríveis que fiz (e farei) na vida, com uma energia que não vou encontrar em nenhum outro lugar.

 

CONTINUE LENDO ♥

2017 acabou. Posso ouvir um amém? Dezembro diz adeus e meu primeiro mês com posts todos os dias igualmente. Esse último post é quase como uma retrospectiva, o meu tchau, 2017. E um olá a todas as surpresas, conquistas, problemas, dores de cabeça e sorrisos que 2018 me reserva.   Começando com a contagem regressiva […]

Leia mais



TAGS:






28 dezembro, 2017

Ontem eu não consegui postar no blog. Eu até poderia dar um jeito, mas passei a manhã editando um vídeo sobre um corretivo vegano, que aqui está – a tarde fazendo uma tatuagem maravilhosa – em breve tem post, vídeo, tudinho! – e à noite, em meio ao cansaço, uma dorzinha no braço graças a agulha da doação de sangue e meu cachorro doente, a cama foi minha melhor amiga. Dia 27 não teve post no blog. Eu prometi a mim mesma que em dezembro criaria conteúdo diariamente. Mas dia 27 não rolou.

PARE DE PERCEBER O ERRO

Normalmente, minha primeira reação seria a culpa. Eu poderia ter acordado mais cedo ou ido dormir mais tarde. Eu poderia ter me esforçado mais, superado as dificuldades e encontrado a inspiração, o tempo e a vontade. Mas eu não fiz. E, ontem, pela primeira vez, diferente de muitos comportamentos negativos do passado, eu entendi que está tudo bem.

 

Eu lembrei de um vídeo – ou era um post? – da Fran Guarnieri, minha guru da organização. Ela falava como nós sempre colocamos na nossa listinha de afazeres mais itens do que o possível de se realizar dentro da nossa rotina. Mas nós insistimos mesmo assim, acreditando que seremos capazes. Esse sentimento de confiança é ótimo, mas a frustração ao fim do dia, não.

 

Isso acontece porque nós sempre percebemos o erro primeiro. Ao invés de olhar para aquela listinha e ver como você riscou mais da metade das coisas, nós nos concentramos nas cinco que faltaram. Nas cinco que não conseguimos concluir. E essas cinco ficam na nossa cabeça, enquanto você pensa: talvez, eu não fosse tão capaz assim. Sendo que, na realidade, você idealizou um dia impossível, fora dos seus padrões e que, no fundo, você sabia que seria praticamente irrealizável. Não importa, aquelas cinco coisas te martirizam e surgem os sentimentos de raiva, culpa, insatisfação e de fracasso.

 

Por que não nos concentramos no que conseguimos fazer? Nos itens que riscamos na lista de afazeres? Por que o erro ocupa tanto espaço? Por que ele consegue se sobrepor a todas as pequenas ou grandes conquistas? Por que é nosso impulso perceber o erro primeiro, antes de qualquer coisa boa?

 

Talvez, porque somos pressionados a buscar a perfeição. Talvez, crescemos acreditando que nossos erros, não nossas qualidades, nos definem. Talvez, alimentar a crítica é um vicio e as pessoas ao nosso redor, por sempre perceberem o erro, não nos mostraram como somos capazes. Talvez, porque a grama do vizinho parece mais verde e a comparação é um poço quase sem saída.

 

Pense que a sua lista de afazeres é uma metáfora. Perceber o erro primeiro é um padrão de comportamento negativo que se aplica à qualquer área da nossa vida. A minha falha no dezembro todo dia, nas conversas do cotidiano, quando alguém pede uma opinião ou mostra algo, ao observar a atitude de alguém, entre outras possibilidades. Nós sempre percebemos o erro antes de apontar qualquer coisa boa.

 

Às vezes, usamos o erro para nos diminuir. Quantas vezes alguém te elogiou e você acrescentou um ah, mas apontando um erro? Nós nos sentimos culpados em errar e quando estamos certos nos sentimos culpados por acertar. Errar é imperdoável e acertar é desumilde. É como um caminho sem saída em que a única solução é continuar apontando os erros de todos os lados.

 

Mas deixa eu te contar um segredo: você sempre vai errar. Eu sempre vou errar. Nós duas sempre teremos erros aos quais apontar. Mas a questão é: vale a pena? Não.

 

Ontem, quando eu decidi dormir ao invés de levantar 22h30 e ir preparar um post, eu pensei: durante 26 dias, eu postei no blog, escrevi texto, tirei foto, editei vídeo, arrumei SEO e um único dia não vai tirar o meu mérito. Boa noite. Amanhã eu compenso com dois posts e aqui estou eu.

 

O erro é um sinal de que nós estamos tentando. E isso vale mais do que qualquer listinha de afazeres riscada por completo. Não é o erro que define quem você é ou quem você será, mas, sim, as suas atitudes diante dele. O que nos falta, muitas vezes, é a maturidade para lidar com esses erros. Lidar não é ficar chorando no canto se culpando e pensando que poderia ter feito diferente. Lidar é encontrar soluções e aproveitar para aprender no meio desse caminho.

 

Então, que tal a gente parar de perceber o erro primeiro? Aprender a elogiar mais e focar nas coisas positivas. Reconhecer as pequenos desafios superados diariamente e agradecer pelo progresso, não chorar por quanto ainda falta.

 

Porque assim como o erro faz parte de tudo o que faremos na vida, nós sempre teremos uma outra chance de acertar ❤ 

 

❤ Outros posts que você pode gostar ❤

 

➳ 7 vezes que o feminismo me ajudou

5 perguntas para fazer compras conscientes

Não seja um one upper

Como fazer a diferença e não ser um babaca

Ei, se liga, você é um babaca com boas referências

Como ter sororidade em 10 passos

Vídeos que te fazem pensar

 

Vem passear na categoria Experiências ❤

Também estou aqui: 

Instagram l Facebook l Twitter l Pinterest l Youtube

Ontem eu não consegui postar no blog. Eu até poderia dar um jeito, mas passei a manhã editando um vídeo – sobre um corretivo vegano, que aqui está – a tarde fazendo uma tatuagem maravilhosa – em breve tem post, vídeo, tudinho! – e à noite, em meio ao cansaço, uma dorzinha no braço graças […]

Leia mais



TAGS:










Veja o que acontece por aí