5 setembro, 2017

Cortar o gorgonzola, o sushi de salmão e o quindim foi tarefa fácil perto de me ver diante de uma prateleira cheia de produtos dos quais eu simplesmente não sei se devo ou não comprar, se tem ou não ingredientes de origem animal, se é ou não de uma marca antiética. Antes de gravar esse vídeo, por exemplo, sobre os meus cuidados atuais com o cabelo, eu mal tinha ideia das polêmicas envolvendo a Salon Line em grupos veganos.

 

Se eu quero um produto, como foi o caso da tinta ruiva, eu procuro informações em casa e, então, vou atrás da marca específica. Se estou na rua e lembro que preciso comprar algo, dificilmente vou pesquisar na internet sobre a marca ou os ingredientes. Primeiro porque meu 4G não permite, segundo porque eu simplesmente confio no rótulo. Não tenho esse costume de fazer uma pesquisa antes, mandar e-mail para o SAC ou revirar a internet, até porque eu não estava habituada a ver tanta sujeira por trás de tantos grandes nomes.

COMO SABER SE UM PRODUTO É VEGANO

Ou cosméticos, roupas, produtos de limpeza e assento de carro.


 

Eu me importava mais com o que a embalagem me prometia do que com as letras miúdas. Eu pensava no preço, no resultado, na comodidade, não em questões éticas. Eu não tinha essa consciência. E, até hoje, mesmo depois de um ano em uma dieta vegetariana estrita e fazendo diversas mudanças na minha rotina, eu peco em relação ao assunto. Muito.

 

É importante lembrar, no entanto, que colocar o veganismo em prática parte muito do acesso à informação que as pessoas têm. Porque, convenhamos, se você não tem internet na sua casa, ou até mesmo tempo para ficar lendo textões no facebook, como você vai saber que não deveria comprar um produto da Salon Line? Está escrito “produto vegano” no rótulo, ué. Se você lê os ingredientes da Coca Cola, como vai imaginar que eles patrocinam rodeios norte americanos?

 

O veganismo é um processo. Lento. Quer os fiscais do veganismo alheio queiram ou não. Faz parte errar. Faz parte cair em tentação. Nem todo mundo tem a mesma força, os mesmos meios de procurar informação, as mesmas dúvidas ou certezas. Ninguém vive da mesma maneira. Temos que aprender a respeitar o espaço e o tempo do outro, sem imposições. Veganismo tem que ser didático, leve, com respeito.

 

É pelos animais. É, sim. É horrível ver as pessoas fechando os olhos para tanta crueldade. É, sim. É de partir o coração ver quem a gente gosta se acomodando. É, sim. Mas é irônico demais partir para a agressividade com quem sente dificuldade em mudar hábitos, ainda mais com tanta gente ao nosso redor dizendo que é besteira, que vamos ficar doentes, que nossas atitudes não vão resolver nada.

 

Eu sei que a pessoa que diz que não conseguiria ficar sem churrasco ou o vegetariano viciado em queijo não estão pensando no boi e na vaca tendo suas vidas exploradas, escravizadas e acabando em prol de um bife ou parmesão. Mas nem todo mundo vai no mesmo ritmo. Todos estamos evoluindo aos poucos e do nosso jeito. Vamos aprender a estender a mão, não atacar pedras.

 

Dito isso, eu quero aprender a escolher melhor os produtos que compro. Quero, com esse post, incentivar você a também tomar esse cuidado. A ideia é criar o hábito de questionar rótulos, me familiarizar com ingredientes ou, ao menos, saber pelo que procurar em um produto para me certificar de que ele é vegano.

 

Lembrando que estamos falando de p-r-o-d-u-t-o-s, não necessariamente de marcas veganas, ok?

 

Tabela de produtos do grupo Ogros Veganos e Troll Ajuda

OGROS VEGANOS - COMO SABER SE UM PRODUTO É VEGANO

O Ogros Veganos é um grupo que me ajudou muito durante minha transição. Lá, você encontra qualquer tipo de receita para testar e descobrir um mundo novo dentro da culinária vegana. Mesmo que você ainda coma carne, ovo ou lacticínios, vale a pena entrar para conhecer opções mais saudáveis e novas receitas.

 

O Troll Ajuda serve mais para tirar dúvidas sobre o veganismo, é um grupo de discussão. Às vezes, discussão não no sentido que eu gostaria, mas faz parte.

 

O bom é que nesses dois grupos existem PDFs com listas extensas de produtos veganos. Tudo separado por categorias e, no caso, do Troll Ajuda até especificando se as marcas são veganas ou se tem um histórico de crueldade animal.

 

Nessas listas, você vai encontrar papel higiênico, massinha de modelar e limpa vidros até molho de tomate, milho em conserva até pipoca de microondas. É ótimo para quem tem controle sobre as compras dentro de casa. Você pode fazer sua lista normal, imprimir esses documentos, e ir ao mercado procurando diretamente pelas marcas citadas.

 

Entre nos dois grupos e procure por lista de produtos veganos. Talvez, a do Ogros Veganos você ache fácil no google pelo grupo ser aberto, já a o do Troll Ajuda você precisa entrar e ver a publicação fixada.

 

Lupa de pesquisa de grupos veganos

 

Caso o seu 4G seja bom e sua operadora tenha um sinal que não te deixa na mão (o que é difícil por aqui, convenhamos), também vale recorrer a lupa dos grupos. Se você viu um produto que aparentemente não tem nenhum ingrediente de origem animal, mas está na dúvida, pode jogar o nome na pesquisa para ver se alguém já fez alguma denúncia ou sabe os podres da marca.

 

CONTINUE LENDO ♥

COMO SABER SE UM PRODUTO É VEGANO

Cortar o gorgonzola, o sushi de salmão e o quindim foi tarefa fácil perto de me ver diante de uma prateleira cheia de produtos dos quais eu simplesmente não sei se devo ou não comprar, se tem ou não ingredientes de origem animal, se é ou não de uma marca antiética. Antes de gravar esse […]

Leia mais



TAGS:






9 abril, 2017

Como já falei por aqui, a Páscoa não é exatamente o meu feriado favorito (oi, natal, sinto sua falta!), mas eu entendo toda a animação que se cria em torno desse dia. Não, eu não sou religiosa. Não, eu não tenho crianças na família. Não, eu não como mais chocolate ao leite. Mas, sim, eu comemoro, à minha maneira, a Páscoa.

Por que não gostar da páscoa? Lado ruim, escravidão, crueldade, vegan

Pena que esse post não fala sobre comemorações. Calma, nós vamos ter a parte dois, mais positiva, com coelhinhos pulantes. Só que hoje eu quero conversar com vocês um pouco a respeito do porquê da páscoa não ser tão feliz assim. 

 

Açúcar everywhere e sua saúde de lado

 

Ai, lá vem a pseudo-nutricionista querer controlar tudo o que os outros comem. Não é bem por aí. Acontece que na páscoa a gente esquece que açúcar e gordura demais (não ache que seu ovo é cacau puro, ok?) tem consequências demais. Não estamos falando sobre peso, ninguém é fiscal da balança alheia. Eu estou falando sobre coisas como dor de cabeça, cansaço, mal estar, sintomas de hipoglicemia. E, é claro, o açúcar tem consequências ainda piores a longo prazo.

 

Eu acho péssimo não ter controle, principalmente, sobre o que as crianças comem apenas porque é feriado. É ótimo saborear um chocolate, mas é além do limite comer um ovo em um dia ou, então, vários em uma semana. Vamos pensar um pouquinho no nosso corpo. Será que ele vai lidar bem com essa chuva de ovo de páscoa? Bom, tenho certeza que não.

 

Sabor amargo da escravidão  

 

Vidas. Ovos, muitas vezes, custam vidas. Não é de hoje que a Nestlé ou a Hershey’s estão envolvidas em escândalos de trabalho escravo e exploração infantil. O chocolate não sai da máquina e vai para o supermercado. Existe um processo de produção muito sujo por trás. Florestas tropicais destruídas (quem lembra do óleo de palma?), animais colocados em riscos e pessoas desumanizadas — seja por ignorar as leis trabalhistas ou, literalmente, escravizá-las. Vale a pena por um prazer momentâneo?

 

CONTINUE LENDO ♥

2o1ACe

Como já falei por aqui, a Páscoa não é exatamente o meu feriado favorito (oi, natal, sinto sua falta!), mas eu entendo toda a animação que se cria em torno desse dia. Não, eu não sou religiosa. Não, eu não tenho crianças na família. Não, eu não como mais chocolate ao leite. Mas, sim, eu […]

Leia mais



TAGS:










Veja o que acontece por aí