19 setembro, 2018

Eis que entra uma vegana no MasterChef Profissionais, a Drica Avelar. Todos os ativistas se animaram e pensaram: uhul, alguém para falar sobre veganismo em rede nacional e cozinhar algo além de cogumelos e batatas. Mas o pensamento não parou por aí. Nós também colocamos uma série de expectativas em cima de uma única pessoa. Passamos a enxergá-la como a porta do voz do veganismo, sem nem ao menos ela ter se candidatado ao posto. A próxima terça chegou e, com ela, caiu uma chuva de ignorância, grosseria e, supostas, decepções. Por quê? Ela cozinhou carne.

 

Decidi, então, ligar a câmera e bater um papo reto e sério com você, aí do outro ladinho. Se aconchegue, abra o coração e dê o play, sim? ❤

 

Vegana no MasterChef, minha opinião 🌱

 

 

Dito tudo isso no vídeo, vamos começar pelo básico: o programa não é vegano. Não é uma competição sobre quem faz a melhor receita com tofu e castanha de caju. Tem carne, muita, por sinal. Tem vaca entrando no programa, carne de jacaré, ovo de avestruz e partes de corpos de animais que você nunca imaginou que alguém, em sã consciência, comeria. A Drica entrou ciente disso. Eu e você sabemos disso. Então, por que achamos que algo mudaria nas regras? Nós somos tão especiais assim? Por que esperamos que a Drica fosse um exemplar de perfeição e calculasse antecipadamente todos os passos dela dentro do programa, no mercado e em frente ao fogão?

 

Ah, mas aí você pode relembrar a principal queixa de muitos veganos: a Drica cozinhou bacalhau em uma prova na qual não precisaria, necessariamente, cozinhar carne, onde a ideia era criar um receita sem sal. O fato de ter escolhido um prato com ingredientes de origem animal ao invés de um prato vegano foi um desserviço à causa. Ok, e o kiko? Quer dizer que a Fafella, por cozinhar carne para o filho, é menos vegetariana? Que se eu passar requeijão na torrada para minha namorada sou menos vegana?

 

Em seu canal do YouTube, a Drica conta como a pressão, o medo e a correria a fizeram falhar. Me doeu tanto ouvir isso… Porque, Drica, você não falhou. Você não precisa se justificar. Você não deve explicação aos veganos e a ninguém. Deixa a polícia vegana se estressar sozinha. Você está, sim, levando o veganismo a mais pessoas e inspirando muitos por aí. Eu que peço desculpas por ter ficado brava de início e concordado com a parcela que se decepcionou. Agora, eu sei que não adianta pregar compaixão se a gente não para um minuto para se colocar no lugar do outro.

vegana no masterchef - drica

Quando entrei no curso técnico, por exemplo, das 40 pessoas na sala, só a professora sabia o que significava o termo veganismo. O restante ficou com cara de desentendido quando me apresentei. Mas foi a partir daquele momento que 40 pessoas entenderam que existe uma alternativa aos produtos de origem animal. Foi com aquele “oi, meu nome é Luana, sou feminista e vegana” que 40 pessoas foram apresentadas a um estilo de vida mais afetivo, consciente, ético e transformador.

 

No curso, eu ainda precisei participar de aulas práticas com carne e fazer seminários sobre o leite. A nutrição tradicional não é vegana, afinal. Eu me incomodava? Sim. Da mesma forma que, para Drica e outros cozinheiros veganos, não deve ser fácil lidar com produtos de origem animal. Mas era algo que eu me propus a fazer, algo que eu queria muito concluir, assim como a Drica fez a inscrição sozinha, sem ninguém a obrigar, e sonha em ganhar o prêmio – e é melhor ela ganhar e usar o dinheiro em prol da causa ou outro que vai investir em mais crueldade?

 

Quando a gente entende que o mundo não é vegano, o X da questão é aprender a se adaptar e ainda manter seus ideais intactos. Se eu tivesse desistido, talvez, a minha amiga não virasse vegetariana e as professoras não teriam levado o assunto para dentro da sala de aula. Se a Drica saísse do programa, teria perdido a oportunidade de dizer ao Fogaça: não, eu não refoguei o cogumelo na manteiga porque a indústria leiteira é uma das mais cruéis.

 

Um outro detalhe que precisamos ressaltar por aqui: a Drica não é uma enciclopédia ambulante de veganismo. Ela não é a Jeovegan. Não é a obrigação dela veganizar o Brasil, ok? O veganismo é uma escolha que, apesar de impactar no coletivo, parte de uma consciência individual. Você não pode dizer que está decepcionado porque ela não pegou um alto falante e saiu dizendo no meio da prova: não é sua mãe não é seu leite, carnistas não passarão. Não pode se frustrar porque, em meio a pressão, ela pegou um bacalhau, enquanto a Ana fazia a contagem regressiva.

 

Assim como no feminismo, existem vertentes diferentes no veganismo e nenhuma está mais certa que a outra ou é melhor. São formas diferentes de encarar o movimento e está tudo bem. Se, no fim do dia, o objetivo é acabar com a exploração animal, quem somos nós para separar veganos nutella e veganos raiz?

 

Eu não gostaria que as pessoas que estão na transição para o veganismo sentissem que precisam se justificar a todo instante ou, então, que não podem errar. Ir contra o estilo de vida da maioria massiva da sociedade não é tarefa fácil. O veganismo é, sim, lindo e gratificante, mas o caminho até ele é árduo e existem muitas forças puxando a nossa resistência para trás. Por isso, o que precisamos é de apoio. De alguém que escute sem um tom de julgamento, que estenda a mão e não aponte o dedo. De um pontinho de luz para nos guiar, não palavras que machucam.

 

Drica, eu espero que você trilhe um longo caminho no programa e se sinta confortável para continuar impactando positivamente. Cada frase, cada prato e cada atitude podem ser a gota que faltava para alguém assistindo dar um próximo passo. E, por isso, te admiro pela força de ser a primeira a entrar no MasterChef e falar sobre esse assunto em um lugar onde a manteiga, o creme de leite a proteína animal reinam.

 

Por fim, te convido a pensar: onde a causa animal e onde o seu ego entram na história? Queremos provar que estamos certos pelos animais ou para nos sentirmos melhores? Nós pregamos por um veganismo cheio de culpa e frustrações ou com compaixão e amor?

 

Por mais respeito ao tempo do outro, os seus ciclos e sua força de vontade. Por mais reconhecimento ao entender que o outro está fazendo o possível dentro da sua rotina e limitações. Por mais empatia ✨

 

Qual é a sua opinião sobre o curioso caso da vegana no MasterChef? Compartilha comigo nos comentários, vou adorar saber 😊

 

🌱 Outros posts que você pode gostar 🌱

 

Minha transição para o veganismo

Como ter sororidade em 10 passos

Verdades sobre o veganismo que ninguém te conta

Substituições veganas: como substituir o ovo?

Minha tatuagem sobre veganismo

Corretivo vegano da Dona Orgânica

Eu não quero uma amiga para todas as horas

 

Vem passear na categoria Vida Verde ou na tag veganismo 💓

Também estou aqui:

Instagram l Facebook l Twitter l Pinterest l Youtube

VEGANA NO MASTERCHEF - POLÍCIA VEGANA - DRICA - CHEF VEGANA

Eis que entra uma vegana no MasterChef Profissionais, a Drica Avelar. Todos os ativistas se animaram e pensaram: uhul, alguém para falar sobre veganismo em rede nacional e cozinhar algo além de cogumelos e batatas. Mas o pensamento não parou por aí. Nós também colocamos uma série de expectativas em cima de uma única pessoa. Passamos a enxergá-la […]

Leia mais



TAGS:






31 dezembro, 2015

Final do ano pede por retrospectivas, planejamento, novas metas e posts clichês. Então, cumprindo a primeira e a última parte, decidi sentar alguns minutinhos sozinha e pensar: o que eu aprendi esse ano? Cheguei à conclusão de que foi um ano bom, com alguns tropeços no meio do caminho, mas em sua totalidade, bom. Afinal, o ano em que você vê o Ed Sheeran cantar Give Me Love na sua frente não pode ser ruim.

15 coisas que aprendi em 2015
Eu tinha a péssima mania de me focar nos acontecimentos negativos e nutrir sentimentos amargos. Não é à toa que eu demoro muito tempo para esquecer ou simplesmente perdoar. Às vezes, quando algo vira de ponta cabeça parece que o restante da sua vida também vai. Mas não é assim que tem que ser. Coisas ruins acontecem. E, pela primeira vez, esse é o último dia do ano em que primeiro eu pensei nas coisas maravilhosas que me aconteceram sem colocar as negativas na mesma balança. Porque, olha, as memórias ruins sempre vão pesar mais. A questão é que não vale a pena compará-las com os momentos incríveis do ano.

 

Eu também sei que, no fim das contas, a passagem de ano não significa nada. O relógio continua, a terra não para, o sol se põe e nasce como no dia anterior. O que muda, talvez, seja a nossa esperança, que se renova ou, simplesmente, acorda. É como escreveu Drummond no poema Receita de Ano Novo: é dentro de você que o ano novo cochila e espera desde sempre. O dia 31 é só um pretexto para iniciar um novo ciclo.

 

E, agora, com esse que se acaba, aqui estão as coisas que eu aprendi em 2015 e espero levar comigo no ano que está batendo à porta:

 

1 ➳ Você não é o seu trabalho e competir para ver quem tem o emprego mais legal ou passa mais tempo no escritório é patético. Ah, ler Foucault ou a revista Cult também não te faz o rei ou rainha da cocada, viu? Você pode ser só um babaca com boas referências.

 

CONTINUE LENDO ♥

Final do ano pede por retrospectivas, planejamento, novas metas e posts clichês. Então, cumprindo a primeira e a última parte, decidi sentar alguns minutinhos sozinha e pensar: o que eu aprendi esse ano? Cheguei à conclusão de que foi um ano bom, com alguns tropeços no meio do caminho, mas em sua totalidade, bom. Afinal, […]

Leia mais



TAGS:








Veja o que acontece por aí