DESCOMPLICANDO O VEGANISMO
RECEITAS VEGANAS
Transição para o veganismo


9 fevereiro, 2017

Dá o play e vem ver como eu retoquei o cabelo com uma tinta ruiva vegana, dando tchau à L’Oréal! Mais detalhes da história eu conto aqui embaixo.

 

Eis que fiquei ruiva em novembro de 2016. Num passe de impulsividade. O tom Ariel, porém, me custou 2 coisas importantes: dinheiro (muito!) e meus ideais. Eu só fui. Sem perguntar para o cabeleireiro se poderia levar minha tinta ou qual ele usaria. E, claro, não foi uma tinta ruiva vegana. Foi da L’Oréal. Especificamente, 7.4 da linha Majirel. Pra ferrar mesmo. A marca que causa polêmica por falar que não testa em animais, mas está no mercado chinês – que obriga os testes.

 

Colocando a culpa de escanteio, o que eu achei da tinta? Ficou exatamente no tom que eu queria, um ruivo acobreado. Discreto. Não ressecou meus fios ou causou irritação. Foram preciso, no entanto, cerca de seis embalagens de 50g para pintar todo meu cabelo. Haja tinta! É, só que nem tudo é perfeito. Além de não ser vegana, essas 250 gramas desbotaram em uma semana. E trinta dias depois, eu estava com o cabelo loiro, como vimos no vídeo. Bem que a internet avisou: essa tinta desbota. Ô, se desbota! No dia em que pintei, ficou assim: 

TINTA RUIVA VEGANA - LUZ NATURAL E LUZ ARTIFICIAL

TINTA RUIVA VEGANA

Por estar em transição para o veganismo e me sentir mal por pintar meu cabelo com algo que envolve crueldade, comecei a pesquisar marcas veganas com tons semelhantes ao 7.4 da Majirel. Acontece que eu iria viajar no comecinho de dezembro e minha raiz estava bem grandinha. Fui na maior unidade da Ikesaki, uma loja grande e famosa de cosméticos em São Paulo, e não encontrei nenhuma das marcas que estava pesquisando.

 

Infelizmente, eu detesto comprar coisas pela internet. Principalmente tinta sem ver a cartela das cores. Lá, eu achei para testar o tonalizante da Avora que mostrei no vídeo, o Cobre Ruivo Radiante. Só que tonalizante não pega em raiz natural e, sim, acabei levando uma embalagem de tinta L’Oréal para casa.

 

Minha amiga pintou para mim – usando a água oxigenada da Yamá, que para desencargo de consciência é vegana. Miga, desculpa, mas você não nasceu para ser cabeleireira. Acabou que o tom da raiz ficou muito diferente do resto e não conseguimos cobrir todo o cabelo crescendo. Um tubinho de tinta, aparentemente, não era o suficiente para pintar a raiz e puxar para as pontas. Escutou (ou leu) querida pessoa que me deixou ruiva no salão?

TINTA RUIVA VEGANA - DESBOTA, RAIZ

Pedi socorro para a minha vó porque eu iria viajar na manhã seguinte. Com mais três tubinhos de tinta da L’Oréal. E 100 ml de oxigenada 20 volumes para cada uma. Ficou lindo. Incrivelmente lindo. Maravilhosamente lindo. Olhe as fotos abaixo e me diga se você concorda! Eu estava apaixonada pelo tom do meu cabelo. Que, é claro, desbotou pra caramba em uma semana na praia, com sol e um único pulo na piscina. Mas estava lindo. Ah.

TINTA RUIVA VEGANA - LOREAL MAJIREL 74 NO QUARTO

TINTA RUIVA VEGANA - LOREAL MAJIREL 74 NA SACADA

TINTA RUIVA VEGANA - LOREAL MAJIREL 74 NA PRAIA

De volta à São Paulo, mais de um mês se passou e percebi que meu cabelo, realmente, cresce muito rápido. Obrigada, Low Poo (falamos sobre isso aqui, ó)! Tinha três dedos de raiz em menos de dois meses. Isso seria uma mão na roda quando eu queria deixar meu cabelo crescer para me livrar das pontas com química. Aí eu fui lá e coloquei química outra vez, me “obrigando” a retocar mensalmente a cor.

 

Vamos deixar claro que eu não ligo pra raiz aparecendo. Sério. Não pintei meu cabelo para as pessoas acharem que é natural. É tinta mesmo! Não sou obcecada com isso. Quando tinha luzes, demorava três, quatro meses para retocar. Eu gosto da cor, eu gosto de mudar o cabelo, eu gosto de parecer diferente. Não quero perfeição. Deixa a raiz aparecer. Quando eu quiser, eu pinto. Se não, pode crescer a vontade.

 

Pausa para uma história engraçada: no dia seguinte que pintei pela primeira vez, fui no mercado perto de casa. Uma senhora, que estava na fila da caixa, elogiou meu cabelo. Eu agradeci. Ela perguntou se era natural. Eu disse que não. Ela soltou: ah, que pena, cada um faz o que quer, não é mesmo? Sim, é mesmo, senhora. Voltando…

 

Dessa vez eu não queria usar uma tinta não vegana. Poxa, eu estou indo tão bem em todos os outros sentidos… Decidi dar uma chance à outra Ikesaki, do shopping Tucuruvi – bem longe de casa, se quer saber. Valeu a pena, pois encontrei a tinta da Avora, e, olhando a cartela, a 7.4 da linha Vivance Color estava praticamente igual ao mesmo número da Majirel.  

 

Minha pesquisa naquele momento, decidindo se levaria ou não e tentando lembrar do que li no mês anterior, foi baseada única e exclusivamente no que o 3G do meu celular aguenta: grupos no facebook. E graças à Deusa existe o Low Poo Vegano. Eu tinha feito um post pedindo ajuda e as meninas me indicaram marcas bem legais, incluindo a Avora. Não o bastante, fui na lupinha e me certifiquei de que estivessem falando coisas boas sobre a marca. Score. Encontrei um e-mail em que eles afirmavam que não usam nenhum produto de origem animal:

avora email

Ah, Luana, e esse post da Nicole falando que a marca usa cera de abelha e proteína da seda? Bom, eu não sei ler ingredientes. Mas esse post é de 2015 e estou confiando na marca e nas meninas do grupo. Além disso, no e-mail eles falam que substituíram a cera em setembro de 2016 por uma vegetal. Uhul! Por que, então, esconder se ainda usam proteína da seda? Caso eu esteja errada, me conta nos comentários, por favor. Eu estou ainda aprendendo sobre esse universo, lembre-se. Vou deixar a lista de ingredientes abaixo, caso você saiba entendê-la melhor do que eu.

 

Composição: aqua, cetaryl alcohol, ammonium hyddroxide, propylene glycol, lauramine oxide, glyceryl stearate, oleyl alcohol, stearalkonium chloride, amodimethicone behentrimonium chloride, parfym, pentasodium pentetate, sodium sulfite, sodium erythorbate, hydrolyzed keratin. 

 

Então, eu comprei duas caixinhas e pintamos meu cabelinho com uma tinta ruiva vegana. O que eu achei? Eu adorei! O tom, para mim, ficou super parecido. Quase idêntico. Em luz artificial, um loiro acobreado e na luz natural mais ruivo de fato. Como falei no vídeo, ficar mais tempo do que o pedido (fiquei 1h30) com a tinta na cabeça acabou deixando o couro cabeludo sensível. Mas foi só na primeira noite, está tudo bem agora!

tinta ruiva vegana - avora 7.4 vivance color resultado tinta ruiva vegana - avora 7.4 vivance color 2

A da L’Oréal puxa mais para o vermelho, realmente. Mas de que adiante se não mantém esse tom ruivo por mais de três lavagens? Se quiser ver como a Majirel ficou depois de um bom chuveiro duas vezes, clica aqui. A da Avora a mesma coisa, como mostrei no vídeo, ficou bem ruivo de primeira. Quando lavei, já foi pro cobre. Vale lembrar que eu não usei as duas caixinhas inteiras. Estava retocando, não necessariamente pintando.

 

Se vai desbotar rápido, eu não sei. Se o tom vai ficar bonito quando isso acontecer, também não sei. Eu sei que eu volto para contar, tudo bem? Aproveita e me segue nas redes sociais, assim quando eu postar fotinhos no instagram ou na fanpage você consegue saber se o tom está clareando! Por enquanto, está assim: 

tinta ruiva vegana - avora 7.4 vivance color 3

tinta ruiva vegana - avora 7.4 vivance color

Nós usamos um tubo e meio de tinta com uma embalagem e meia de água oxigenada 20 volumes da Yamá. Essa quantidade foi o suficiente para retocar a raiz e puxar para as pontas, foi até um pouco de exagero. Quem sabe um tubinho só funcione. 

 

Ter dado certo com menos tinta que a da L’Oréal me fez pensar se os tamanhos não são diferentes. E são. Da Avora tem 60g, enquanto a Majirel tem 50g. Outra coisa diferente é o preço, a da Avora é cerca de dez reais mais barata. Meu bolso agradece. Os bichinhos também. Porque conseguimos achar uma tinta ruiva vegana parecida com a 7.4 da L’Oréal, mais em conta e sem crueldade! Obrigada, Avora Vivance Color 7.4. Obrigada, Ikesaki do Tucuruvi. Obrigada  vó, por ser minha cabeleireira. Obrigada Gi, por ser minha camera girl.

 

Vocês conhecem alguma outra tinta vegana? Ou são ruivas? Que tom usaram? Como fazem para desbotar menos? Provavelmente vou usar uma tinta mais laranjinha da Avora e aí volto para contar para vocês. 

 

 💜 Outros posts que você pode gostar 💜

 

Quantos animais você salvou sendo vegano?

Transição para o veganismo 

➳ Protetor solar vegano para pele oleosa

Low poo vegano

➳ Resenha shampoos Phytoervas

➳ Produtos veganos da Granado e Phebo

 

💜 Vem ler sobre veganismo ou passear na tag Beleza 💜

Vamos falar sobre uma beleza mais sustentável nas redes sociais:

Instagram l Facebook l Twitter l Pinterest l Youtube

 

 

* indicates required



Você é vegano?


Dá o play e vem ver como eu retoquei o cabelo com uma tinta ruiva vegana, dando tchau à L’Oréal! Mais detalhes da história eu conto aqui embaixo.

 

Eis que fiquei ruiva em novembro de 2016. Num passe de impulsividade. O tom Ariel, porém, me custou 2 coisas importantes: dinheiro (muito!) e meus ideais. Eu só fui. Sem perguntar para o cabeleireiro se poderia levar minha tinta ou qual ele usaria. E, claro, não foi uma tinta ruiva vegana. Foi da L’Oréal. Especificamente, 7.4 da linha Majirel. Pra ferrar mesmo. A marca que causa polêmica por falar que não testa em animais, mas está no mercado chinês – que obriga os testes.

 

Colocando a culpa de escanteio, o que eu achei da tinta? Ficou exatamente no tom que eu queria, um ruivo acobreado. Discreto. Não ressecou meus fios ou causou irritação. Foram preciso, no entanto, cerca de seis embalagens de 50g para pintar todo meu cabelo. Haja tinta! É, só que nem tudo é perfeito. Além de não ser vegana, essas 250 gramas desbotaram em uma semana. E trinta dias depois, eu estava com o cabelo loiro, como vimos no vídeo. Bem que a internet avisou: essa tinta desbota. Ô, se desbota! No dia em que pintei, ficou assim: 

TINTA RUIVA VEGANA - LUZ NATURAL E LUZ ARTIFICIAL

TINTA RUIVA VEGANA

Por estar em transição para o veganismo e me sentir mal por pintar meu cabelo com algo que envolve crueldade, comecei a pesquisar marcas veganas com tons semelhantes ao 7.4 da Majirel. Acontece que eu iria viajar no comecinho de dezembro e minha raiz estava bem grandinha. Fui na maior unidade da Ikesaki, uma loja grande e famosa de cosméticos em São Paulo, e não encontrei nenhuma das marcas que estava pesquisando.

 

Infelizmente, eu detesto comprar coisas pela internet. Principalmente tinta sem ver a cartela das cores. Lá, eu achei para testar o tonalizante da Avora que mostrei no vídeo, o Cobre Ruivo Radiante. Só que tonalizante não pega em raiz natural e, sim, acabei levando uma embalagem de tinta L’Oréal para casa.

 

Minha amiga pintou para mim – usando a água oxigenada da Yamá, que para desencargo de consciência é vegana. Miga, desculpa, mas você não nasceu para ser cabeleireira. Acabou que o tom da raiz ficou muito diferente do resto e não conseguimos cobrir todo o cabelo crescendo. Um tubinho de tinta, aparentemente, não era o suficiente para pintar a raiz e puxar para as pontas. Escutou (ou leu) querida pessoa que me deixou ruiva no salão?

TINTA RUIVA VEGANA - DESBOTA, RAIZ

Pedi socorro para a minha vó porque eu iria viajar na manhã seguinte. Com mais três tubinhos de tinta da L’Oréal. E 100 ml de oxigenada 20 volumes para cada uma. Ficou lindo. Incrivelmente lindo. Maravilhosamente lindo. Olhe as fotos abaixo e me diga se você concorda! Eu estava apaixonada pelo tom do meu cabelo. Que, é claro, desbotou pra caramba em uma semana na praia, com sol e um único pulo na piscina. Mas estava lindo. Ah.

TINTA RUIVA VEGANA - LOREAL MAJIREL 74 NO QUARTO

TINTA RUIVA VEGANA - LOREAL MAJIREL 74 NA SACADA

TINTA RUIVA VEGANA - LOREAL MAJIREL 74 NA PRAIA

De volta à São Paulo, mais de um mês se passou e percebi que meu cabelo, realmente, cresce muito rápido. Obrigada, Low Poo (falamos sobre isso aqui, ó)! Tinha três dedos de raiz em menos de dois meses. Isso seria uma mão na roda quando eu queria deixar meu cabelo crescer para me livrar das pontas com química. Aí eu fui lá e coloquei química outra vez, me “obrigando” a retocar mensalmente a cor.

 

Vamos deixar claro que eu não ligo pra raiz aparecendo. Sério. Não pintei meu cabelo para as pessoas acharem que é natural. É tinta mesmo! Não sou obcecada com isso. Quando tinha luzes, demorava três, quatro meses para retocar. Eu gosto da cor, eu gosto de mudar o cabelo, eu gosto de parecer diferente. Não quero perfeição. Deixa a raiz aparecer. Quando eu quiser, eu pinto. Se não, pode crescer a vontade.

 

Pausa para uma história engraçada: no dia seguinte que pintei pela primeira vez, fui no mercado perto de casa. Uma senhora, que estava na fila da caixa, elogiou meu cabelo. Eu agradeci. Ela perguntou se era natural. Eu disse que não. Ela soltou: ah, que pena, cada um faz o que quer, não é mesmo? Sim, é mesmo, senhora. Voltando…

 

Dessa vez eu não queria usar uma tinta não vegana. Poxa, eu estou indo tão bem em todos os outros sentidos… Decidi dar uma chance à outra Ikesaki, do shopping Tucuruvi – bem longe de casa, se quer saber. Valeu a pena, pois encontrei a tinta da Avora, e, olhando a cartela, a 7.4 da linha Vivance Color estava praticamente igual ao mesmo número da Majirel.  

 

Minha pesquisa naquele momento, decidindo se levaria ou não e tentando lembrar do que li no mês anterior, foi baseada única e exclusivamente no que o 3G do meu celular aguenta: grupos no facebook. E graças à Deusa existe o Low Poo Vegano. Eu tinha feito um post pedindo ajuda e as meninas me indicaram marcas bem legais, incluindo a Avora. Não o bastante, fui na lupinha e me certifiquei de que estivessem falando coisas boas sobre a marca. Score. Encontrei um e-mail em que eles afirmavam que não usam nenhum produto de origem animal:

avora email

Ah, Luana, e esse post da Nicole falando que a marca usa cera de abelha e proteína da seda? Bom, eu não sei ler ingredientes. Mas esse post é de 2015 e estou confiando na marca e nas meninas do grupo. Além disso, no e-mail eles falam que substituíram a cera em setembro de 2016 por uma vegetal. Uhul! Por que, então, esconder se ainda usam proteína da seda? Caso eu esteja errada, me conta nos comentários, por favor. Eu estou ainda aprendendo sobre esse universo, lembre-se. Vou deixar a lista de ingredientes abaixo, caso você saiba entendê-la melhor do que eu.

 

Composição: aqua, cetaryl alcohol, ammonium hyddroxide, propylene glycol, lauramine oxide, glyceryl stearate, oleyl alcohol, stearalkonium chloride, amodimethicone behentrimonium chloride, parfym, pentasodium pentetate, sodium sulfite, sodium erythorbate, hydrolyzed keratin. 

 

Então, eu comprei duas caixinhas e pintamos meu cabelinho com uma tinta ruiva vegana. O que eu achei? Eu adorei! O tom, para mim, ficou super parecido. Quase idêntico. Em luz artificial, um loiro acobreado e na luz natural mais ruivo de fato. Como falei no vídeo, ficar mais tempo do que o pedido (fiquei 1h30) com a tinta na cabeça acabou deixando o couro cabeludo sensível. Mas foi só na primeira noite, está tudo bem agora!

tinta ruiva vegana - avora 7.4 vivance color resultado tinta ruiva vegana - avora 7.4 vivance color 2

A da L’Oréal puxa mais para o vermelho, realmente. Mas de que adiante se não mantém esse tom ruivo por mais de três lavagens? Se quiser ver como a Majirel ficou depois de um bom chuveiro duas vezes, clica aqui. A da Avora a mesma coisa, como mostrei no vídeo, ficou bem ruivo de primeira. Quando lavei, já foi pro cobre. Vale lembrar que eu não usei as duas caixinhas inteiras. Estava retocando, não necessariamente pintando.

 

Se vai desbotar rápido, eu não sei. Se o tom vai ficar bonito quando isso acontecer, também não sei. Eu sei que eu volto para contar, tudo bem? Aproveita e me segue nas redes sociais, assim quando eu postar fotinhos no instagram ou na fanpage você consegue saber se o tom está clareando! Por enquanto, está assim: 

tinta ruiva vegana - avora 7.4 vivance color 3

tinta ruiva vegana - avora 7.4 vivance color

Nós usamos um tubo e meio de tinta com uma embalagem e meia de água oxigenada 20 volumes da Yamá. Essa quantidade foi o suficiente para retocar a raiz e puxar para as pontas, foi até um pouco de exagero. Quem sabe um tubinho só funcione. 

 

Ter dado certo com menos tinta que a da L’Oréal me fez pensar se os tamanhos não são diferentes. E são. Da Avora tem 60g, enquanto a Majirel tem 50g. Outra coisa diferente é o preço, a da Avora é cerca de dez reais mais barata. Meu bolso agradece. Os bichinhos também. Porque conseguimos achar uma tinta ruiva vegana parecida com a 7.4 da L’Oréal, mais em conta e sem crueldade! Obrigada, Avora Vivance Color 7.4. Obrigada, Ikesaki do Tucuruvi. Obrigada  vó, por ser minha cabeleireira. Obrigada Gi, por ser minha camera girl.

 

Vocês conhecem alguma outra tinta vegana? Ou são ruivas? Que tom usaram? Como fazem para desbotar menos? Provavelmente vou usar uma tinta mais laranjinha da Avora e aí volto para contar para vocês. 

 

 💜 Outros posts que você pode gostar 💜

 

Quantos animais você salvou sendo vegano?

Transição para o veganismo 

➳ Protetor solar vegano para pele oleosa

Low poo vegano

➳ Resenha shampoos Phytoervas

➳ Produtos veganos da Granado e Phebo

 

💜 Vem ler sobre veganismo ou passear na tag Beleza 💜

Vamos falar sobre uma beleza mais sustentável nas redes sociais:

Instagram l Facebook l Twitter l Pinterest l Youtube

 

 

* indicates required



Você é vegano?


TAGS:




9 Comentários em “Retocando o cabelo com uma tinta ruiva vegana ♥ Avora Vivance Color 7.4”


Ana

Seu cabelo ficou lindo! Adoro cabelo ruivos. Já usei todo tipo de tonalidade de vermelho, todo tipo mesmo. Até hoje a tarde eu estava bem laranjinha, agora já virei uma pimentinha de novo rs… Não conheço nenhuma tinta vegana, estou começando só agora a entrar nesse mundo vegetariano/vegano e pesquisar mais sobre o assunto, mas uso Koleston, Amend e anilina e adoro (sim, anilina de madeira, essa que vende em pó em qualquer papelaria mesmo, misturo tudo num pote, uso há anos e não estraga nadinha do cabelo), mas o que me apavorou foi a quantidade de tinta que você usou! Acho que você pode economizar mais na tinta e usar um pouco mais de água oxigenada, tenho o cabelo mais comprido que o seu, mas os tubinhos de tinta (já que uso duas cores) dão pra usar 3, 4, até 5x… E parece que quanto menos tinta você passa, mais ela “dura” no cabelo (sem comprovação científica, apenas observação empírica de alguém que mexe no cabelo em casa há uns bons 8 anos). Quanto a desbotar, agora no começo desbota MUITO mesmo, é normal, por isso dizem que o ruivo é a cor mais difícil de manter nos fios, mas com o tempo, conforme teu cabelo vai acostumando com a química, ele desbota menos. O meu hoje só dá aquela desbotadinha da primeira lavagem e depois não desbota nadinha, só esperar. Dizem que o correto pro ruivo é você pintar só a raiz a cada 40 dias e tonalizar a cada 20 dias. Eu só pinto 1x por mês ou quando não to mais aguentando a raiz. Dou a dica da anilina, dissolve uma colher de chá na água quente e mistura no creme de cabelo, ela não pega na raiz mas deixa o tom mais vivo quando ele já tá meio meh, nunca estragou meu cabelo (ou faz como eu, taca no meio da tinta mesmo rsrs). Beijão!

Luana

Amo comentários grandões, haha ♥
A Amend tem uma linha vegana, sabia? A Magic, se não me engano.
Meu cabelo é fininho, mas eu tenho bastanteeee cabelo, talvez seja por isso. Acredita que eu usei mais água oxigenada do que me recomendaram? haha
Sério? Essa é a terceira vez que eu pinto, quem sabe nas próximas pare de desbotar.
Vou tentar a dica da anilina 🙂
Obrigadinhaaaaa, beijos ♥

Resenha Shampoos Phytoervas l Entre Anas

[…] Vamos falar sobre o meu ruivo? […]

Resenha Phytoervas: shampoos e ativador de cachos

[…] comprar o shampoo dessa linha depois de pintar meu cabelo de ruivo (vem ver minha saga com a cor aqui!). Querendo ou não, esse tom desbota por natureza, mas eu achei que variar do ruivo para o quase […]

Como saber se um produto é vegano? l Entre Anas

[…] eu quero um produto, como foi o caso da tinta ruiva, eu procuro informações em casa e, então, vou atrás da marca específica. Se estou na rua e […]

Resenha corretivo Dona Orgânica, Vegano e Natural l Entre Anas

[…] ➳ Retocando o cabelo com uma tinta ruiva vegana […]

Verdades sobre o veganismo que ninguém te conta! l Entre Anas

[…] pasta de dente, na escova, no detergente, na lente de contato, no rímel, no corretivo, no esmalte, na tinta de cabelo e por aí vai. A lista de itens do nosso dia a dia com alguma porcentagem de crueldade animal é […]

Leils

Luana, anilina faz mal a saúde. Não use. Pesquise antes!!!

Luana

Eu nunca usei, flor.


Deixe seu comentário:

NÃO PERCA AS NOVIDADES, CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER!